sábado, 31 de outubro de 2009

Contos Minimalistas

"O atirador de facas" - Matisse - 1947



O Atirador de Facas

Homem de uma frugalidade incrível; ficava dias sem comer. Para o dono do circo, um funcionário perfeito. Econômico, uma boca a menos para alimentar, praticamente. Ninguém sabia de onde havia vindo. Era quase sempre sério e calado. Esquivo durante o dia, desaparecido à noite.

O atirador de facas, olhar de esguelha e temperamento de gato, cativara os colegas em pouco tempo. "Tem horas que parece odiar tudo isso aqui", disse um. "Mas não é má pessoa", emendou.

Na cidade X estrearia o novo número. Uma linda moça comporia o quadro; clássico antialvo a extremar o suspense. Já na primeira noite o sucesso esplende. Segundo dia, audiência lotada. Em meio a restos de aplauso, a terceira faca vara o espaço. O rumor ínfimo do ar deslocado, o susto da moça, o átimo, o jovem coração traspassado.

Absoluto silêncio. Cabisbaixo, o atirador retira-se. Mórbido picadeiro... Vai-se a plateia, a trupe em prantos.

Na boca da noite deu-se o enterro. Broto de vida atravessado pelo infortúnio... Todos presentes, menos o atirador. Vagava na escuridão.

Em suas camas, os artistas tentam dormir. Madrugada alta, o líder mambembe e proprietário do circo sai às cercanias em busca do involuntário assassino. Deseja consolá-lo. Longa procura. No céu a lua crescente, irônico riso de Urano, luzia. Noturnos ruídos...

Viu-o comendo. Atônito, os olhos do dono olhavam a esdrúxula cena. O atirador, absorto, comia. Na verdade devorava, com inédita gula, as desenterradas e tenras carnes da linda moça.

10 comentários:

Canto da Boca disse...

A narrativa vai prendendo, pelas palavras mágicas, assim como a própria mágica da cena, vais criando pontos de tensões, chegamos a ouvir a música que anuncia o suspense. Aplaudimos juntos com a platéia outra do circo, suspiramos aliviados, mas o desfecho (final), é digno da atuação de um Bella Lugosi.

Magna Santos disse...

Então, o senhor agora está a escrever contos. Ainda bem que "minimalistas", de outro modo, meu coração não iria aguentar o suspense.
Ele é atirador de facas e você, Josias, malabarista e mágico das palavras.
Abraço.
Magna

Luna Freire disse...

Belo, muito belo. E humano, cruelmente humano... Gostei desta sua nova vereda. Vou segui-lo no twitter.

Luna Freire disse...

Josias, vc é Geo? Geo, amigo de Marx, que fez movimento estudantil?

£zterliu disse...

Menino... o negócio tá ficando bom né? aliás... tá ficando cada dia melhor... gostei que só!!!

PriX disse...

Josias,
Gostei dessa novidade dos minicontos.É bem interessante!
Quanto a citação de Caio Abreu lá no blog, não sei ao certo de que obra é, achei em um blog dedicado a ele, mas tô tentando descobrir de onde foi tirada e assim que souber te falo, tá?

Abs.

Dimas Lins disse...

Geó,

Que beleza!Como disse Canto da Boca, a narrativa vai prendendo, criando pontos de tensão que anunciam o suspense. E o final então, fantástico!

Vou trabalhar no layout do teu novo blog, este estilo precisa de cara nova!

Dimas Lins

Ana disse...

O Poeta de finais surpreendentes. O miniconto ficou delicioso, Geó. Concordo com minha mana (Canto da Boca): dá para ouvir a música, imaginar o cenário, flagrar o louco assassino devorando seu crime com gula.
Show de bola.

Kalina disse...

Sabe de quem lembrei ao ler seu texto? De Kafka. Gosto desse estilo. Você mostra cruamente o homem que devora sua própria espécie. O conto é um espelho que nos faz pensar: e não é que tem sido assim todos os dias? Também, faz-nos refletir sobre as necessidades que motivam esse ato de devorar, pois - por sermos seres humanos repletos de necessidades - desejamos. Desejar e devorar, eis o binômio que nos arrasta segundo nossos instintos...

viralatasdeamor disse...

Josias
Cheguei em seu blog através de
Magna, Samarone, estas belas pessoas.Que conto lindo, a narrativa prende e surpreende.
Um abraço
Lamour